Cerveró confirma que Cunha interferiu para que propina fosse paga

Ex-diretor da Petrobras Nestor Cervero FOTO: Wilson Dias/Agência Brasil
19 abr 2016

Do Paraná Portal:

Em seu primeiro depoimento ao juiz federal Sérgio Moro na qualidade de delator da Operação Lava Jato, o ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, confirmou que só conseguiu receber a propina negociada com a Samsung e a Mitsui após interferência do hoje presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Depondo no processo que envolve o empréstimo de R$ 12 milhões a José Carlos Bumlai pelo Banco Schain e a consequente contratação do grupo Schahin para operar um dos navios sonda comprados pela Petrobras como forma de quitar tal empréstimo, Cerveró lembrou que as irregularidades envolvendo os navios sonda começaram já na construção das embarcações.

“Em continuação ao acordo que nós fizemos na Petrobras 10.000, a primeira sonda que contratamos junto à Samsung, ela nos ofereceu uma segunda sonda idêntica e, dentro de nosso plano de negócios vimos a oportunidade de expandir esse número de navios. Assim, contratamos a Vitória 10.000 (a sonda que foi operada pela Shahin)”, explicou o ex-diretor. “Na primeira sonda houve um acerto de propina de US$ 15 milhões e na segundo a Samsung aumentou para US$ 20 milhões, mas não foi paga. Acabou derivando de uma séria de dificuldades e só depois de vários anos é que o Fernando Soares, através de um apoio do deputado Eduardo Cunha, conseguiu receber parte da propina desta segunda sonda”, disse.

Cerveró contou, também que foi informado que deveria fechar o negócio com a Shahin pelo então presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, no momento em que foi ao presidente relatar que estava sendo cobrado pelo PMDB a respeito de uma ajuda para quitação de dívidas de campanha. Ele citou, também o ex-ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau (PMDB) que, segundo Cerveró, era quem o cobrava repasses ao partido.  “Eu fui pressionado pelo ministro Silas Rondeau, que me cobrava que eu liquidasse uma dívida de campanha do PMDB, da ordem de R$ 10 a 15 milhões. Fui conversar com o presidente Gabrielli sobre essa situação e ele me fez uma proposta:  ‘você deixa que eu resolvo o problema do Silas e você resolve o problema do PT, que tem uma dívida de R$ 50 milhões com a Shahin’. Foi quando comecei a negociar com o Fernando Shahin, filho de um dos sócios do grupo, para eles assumirem a sonda. “Deixei claro para ele que eles não seriam escolhidos para operar a Sonda, porque havia outras empresas com capacidade comprovada maior que a deles, mas que, se a dívida do PT, da ordem de R$ 50 milhões fosse considerada quitada, eles seriam os operadores”, disse.

Compartilhar

Anna Ruth
Anna Ruth

Anna Ruth Dantas é jornalista, apresentadora do programa RN Acontece, da Band Natal; produz e apresenta o programa Jornal da Cidade, da Rádio Cidade (94 FM - Natal), e apresenta o programa Panorama do RN (em rede com 16 emissoras de rádio do Rio Grande do Norte). Jornalista de grande credibilidade, atua também como consultora e ministra cursos de midia trainning na Trilhar Educação Corporativa.

Deixe uma resposta